Conheça os problemas causados pelo cloro em excesso na água das piscinas

Tempo de leitura: 3 minutos

O que era para ser um momento agradável, acaba se tornando um transtorno. É o que ocorre com quem, após um banho de piscina, sente os efeitos da presença do cloro em excesso na água. Como já destacamos, o cloro é um componente com efeito bactericida, fungicida e viricida usado com o objetivo de evitar a proliferação de algas e eliminar micro-organismos danosos à saúde. Mas seu uso precisa ser controlado para ficar em níveis aceitáveis na água entre 2 ppm e 4 ppm.

O problema ocorre quando não se observa os riscos que o cloro em excesso na água pode causar. Por desinformação ou até por displicência o uso não é controlado e nem a medição é feita de forma correta. O resultado disso é que, pela aparência, a água pode até parecer saudável, sem sinais de algas (se houvesse, a água ficaria esverdeada) e bactérias. Mas ao sair da piscina é que o banhista sentirá os sinais e as consequências do cloro em excesso na água.

A lista é grande, sabia? E isso só reforça o quanto é importante que o dono da residência seja rigoroso com a limpeza da piscina.

Lembre-se: cloro é um produto químico

Por se tratar de um produto químico, o cloro em excesso na água pode intoxicar os banhistas e isso se manifesta por diferentes sintomas, que podem variar conforme o estado de saúde da pessoa.

Em geral, cloro em excesso na água causa:

– Irritação na pele;

– Irritação nos olhos;

– Vermelhidão;

– Náuseas;

– Vômitos;

– Dores no peito;

– Queimação na garganta;

– Dificuldades respiratórias.

Opção para o uso do cloro em excesso na água

O cloro é parte no processo de limpeza e manutenção de uma piscina. Ou seja, seu uso é necessário, assim como também é necessário buscar a maior quantidade de informações a respeito do uso do produto até para não cair em armadilhas como a que dá para saber se tem muito cloro na água pelo cheiro.

É justamente o contrário. Se houver um odor intenso proveniente da água, é sinal de que a quantidade de cloro está abaixo do ideal e o cheiro que está sendo sentido é decorrente de outros componentes na água como suor e urina.

Por isso, é preciso tratar do assunto com responsabilidade. Em lojas especialistas é possível adquirir um “kit teste” para fazer as medições de forma correta e não errar na quantidade de cloro. Mas além de priorizar o controle, a opção indicada para quem piscina em casa é utilizar um gerador de gás ozônio, como os desenvolvidos pela WIER.

É a forma de reduzir consideravelmente a quantidade de cloro na água (estima-se que pode variar entre 60% e 90%) sem colocar em risco a qualidade da água, muito pelo contrário. O ozônio para piscinas é um tratamento natural com grande poder antibactericida para combater as impurezas da água.

Além dos benefícios para a saúde, usar um gerador de ozônio também representa uma economia no bolso. Afinal, deixa-se de comprar produtos químicos em grandes quantidades e os custos de manutenção de um gerador, como os da WIER, são baixos em comparação com o que se tem de gastos na aplicação frequente de cloro, por exemplo.

Quer reduzir o uso de produtos químicos na sua piscina e garantir mais saúde para você e sua família? Consulte os especialistas da WIER sobre a linha de geradores de ozônio para piscinas residenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *